Notícias
29/07/2020
Centrais sindicais convocam Dia Nacional de Luta para 7 de agosto

Entidades saem novamente “em defesa da vida e dos empregos”

 

 

Contra os desmandos do governo Jair Bolsonaro, as centrais sindicais brasileiras convocaram, para 7 de agosto, um Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos. Nota assinada por presidentes das entidades e divulgada nesta terça-feira (28) repudia a volta às aulas anunciada por governadores e prefeitos.

 

O texto também lança propostas – “nossa pauta emergencial de apoio aos setores mais vulneráveis na crise” –, além de cobrar equipamentos de proteção individual e coletivo para os trabalhadores das categorias essenciais. Confira a íntegra da nota:

 

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

 

Em reunião por videoconferência, realizada nesta segunda-feira (27), as Centrais Sindicais reafirmaram a avaliação de que o governo Bolsonaro contrariou os especialistas em saúde pública, os organismos e protocolos internacionais, negou a pandemia e adotou medidas equivocadas e desastrosas, que desorganizaram as ações de enfrentamento à pandemia, colocando o Brasil, tragicamente, na iminência de atingir 100 mil óbitos ainda em agosto.

 

Além de ter contribuído para a perda de milhares de vidas, o descaso e descontrole com os quais o governo tratou a pandemia lançaram o Brasil na maior crise econômica e social de toda a sua história, com a extinção em massa de empregos e de empresas.

 

Em defesa a vida e dos empregos, as Centrais Sindicais decidiram:

 

1- Definir 07 de Agosto como Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos (programação será informada até sexta-feira)

 

2- Repudiar a iniciativa de prefeitos e governadores que já planejam e até fixaram data para retorno presencial dos alunos às aulas. Atitude que os iguala ao genocida Bolsonaro.

 

3- Exigir das autoridades os equipamentos de proteção individual e coletivo para os trabalhadores das categorias essenciais, em especial os da área de saúde.

 

4- Reafirmar nossa pauta emergencial de apoio aos setores mais vulneráveis na crise:

 

a) manutenção do auxílio emergencial de R$ 600,00, no mínimo, até 31 de dezembro de 2020;

 

b) ampliação das parcelas do seguro desemprego;

 

c) liberação de crédito para as micro e pequenas empresas;

 

d) fortalecimento do SUS (Sistema Único de Saúde);

 

e) derrubada pelo Congresso Nacional dos vetos do presidente da República que impedem a garantia dos direitos conquistados pelos trabalhadores(as) e seus sindicatos, por meio da ultratividade, dos acordos e convenções coletivas de trabalho.

 

São Paulo, 28 de julho de 2020

 

Sérgio Nobre
Presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores

 

Miguel Torres
Presidente da Força Sindical

 

Ricardo Patah
Presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores

 

Adilson Araújo
Presidente da CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

 

José Calixto Ramos
Presidente da NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores

 

Alvaro Egea
Secretário Geral da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros

 

Ubiraci Dantas Oliveira
Presidente da CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil

 

Joaninha de Oliveira
Secretaria Executiva Nacional da CSP – Conlutas

 

Nilza Pereira de Almeida
Secretaria de Finanças – Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

 

Emanuel Melato
Coordenação da Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora

 

José Gozze
Presidente – Pública Central do Servidor


Fonte: Portal Vermelho

29/07/2020


Leia Todas
Cadastre-se em nossa newsletter e receba notícias e novidades sobre o sindicato e os direitos do trabalhador.
Contribuições
Mulher
Trabalhadora

Rua do Guia Lopes, 333 - Bairro Centro - CEP 95020-390 - Caxias do Sul - RS - Fone: (54) 3221.8552