Notícias
22/11/2017
Até Banco Mundial defende aumentar tributos de ricos no Brasil

Até mesmo o Banco Mundial concorda que é preciso maior justiça tributária no Brasil. Em um relatório divulgado nesta terça (21), o Banco Mundial concluiu que há espaço para aumentar a tributação sobre grupos de alta renda no país. O organismo ressalta que é possível instituir, por exemplo, impostos sobre a renda, patrimônio ou ganhos de capital e reduzir a dependência dos tributos indiretos, que sobrecarregam os mais pobres.

 

 

   

 

Tradicional defensor das políticas de austeridade, o Banco Mundial defende em seu relatório que a redução dos gastos "não é a única estratégia para restaurar o equilíbrio fiscal". Em meio ao receituário neoliberal, está escrito: "A outra alternativa seria, em vez de cortar seus gastos, o
governo Brasileiro deveria aumentar suas receitas tributárias e reduzir os altos pagamentos de
juros sobre sua dívida pública".



De acordo com o Banco Mundial, "há escopo para aumentar a tributação dos grupos de alta renda (por exemplo, por meio de impostos sobre a renda, patrimônio ou ganhos de capital) e reduzir a dependência dos tributos indiretos, que sobrecarregam os mais pobres".



Segundo o texto da instituição, ganhos adicionais no equilíbrio fiscal poderiam ser obtidos por meio, por exemplo, da identificação de uma solução para os altos custos da gestão da dívida pública e das reservas internacionais.



O banco, contudo, prefere não se ater a estas medidas e, apesar de citá-las, anunciando que não as detalhará no relatório. Mas defende que elas "deveriam fazer parte da estratégia de ajuste fiscal". 



O texto afirma que os tributos indiretos, que tendem a afetar os mais pobres de maneira desproporcional, representam 55% da receita tributária. "Apesar das baixas alíquotas, a tributação efetiva sobre alimentos básicos é de 13,1%". De acordo com o Banco Mundial, a tributação sobre a renda pessoal desempenha um papel relativamente pequeno no Brasil (18% da receita tributária, ou 6% do PIB).



"Devido à existência de muitas fontes de renda não tributáveis (tais como ganhos de capital e dividendos), a tributação sobre a renda pessoal não afeta os ricos de maneira adequada. Os indivíduos que ganham mais de 40 salários mínimos pagam somente 6,4% de sua renda total na forma de imposto sobre a renda, ao passo que os que ganham entre 20 e 40 salários mínimos pagam somente um pouco mais (11,7%)", detalha o documento. 



O relatório ressalta, por exemplo, que as políticas de apoio às empresas cresceram rapidamente, atingindo 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos em um país) em 2015. “Porém, não há evidências de que os programas existentes tenham sido eficazes e eficientes em seu objetivo de impulsionar a produtividade e a geração sustentável de empregos. Pelo contrário, tais programas provavelmente tiveram consequências negativas para a concorrência e a produtividade no Brasil”, diz o documento.



Nesse sentido, o texto avalia que a eliminação das isenções fiscais que se demonstraram ineficientes como instrumentos de política industrial e que beneficiam os segmentos mais ricos da sociedade contribuiria para elevar a eficiência e a equidade da política fiscal. 

 

 Do Portal Vermelho, com Agência Brasil

22/11/2017


Leia Todas
Cadastre-se em nossa newsletter e receba notícias e novidades sobre o sindicato e os direitos do trabalhador.
Contribuições
Mulher
Trabalhadora

Rua do Guia Lopes, 333 - Bairro Centro - CEP 95020-390 - Caxias do Sul - RS - Fone: (54) 3221.8552